domingo, 7 de abril de 2019

Dekasseguis pelo mundo - Jihane na Nova Zelândia



Hoje gostaria de apresentar à vocês queridos leitores a história da Jihane, uma dekassegui que conheci aqui na Nova Zelândia. Ela possui uma trajetória muito motivadora que com certeza pode inspirar você! 


1- Jihane, primeiramente por que você decidiu ir para o Japão?
Em 2014 começamos a planejar fazer uma pós graduação no Canadá, mas os valores são absurdos. Então decidimos ir para o Japão juntar dinheiro e depois imigrar para outro lugar, que oferecesse qualidade de vida e segurança.
Fomos para o Japão em 2015 através de agência e pela empreiteira Avance, que nos mandou para o final do Japão, Shimane, numa cidade minúscula chamada Oda.

2- E no que você trabalhou no Japão?
Trabalhamos na Murata, na área de componentes eletrônicos e após 3 meses resolvemos mudar de cidade. Subimos para Minamoto Ashigara em Kanagawa. Nessa cidade, trabalhamos na fábrica da Fujifilm, com embalagem dos filmes, fazendo yakin (turno noturno) direto.




3- O que levou você a querer deixar o Japão? 
Decidimos sair do Japão no primeiro mês em que chegamos! Amamos a cultura, a educação, o país, mas o Japão não proporcionava a qualidade de vida que procurávamos. 
Fomos focados em juntar dinheiro e assim o fizemos, escolhemos ficar em cidade em que não tivesse tantos brasileiros e facilidades para não mudarmos de ideia e perder o foco. Ouvimos de muitas pessoas que não iríamos conseguir juntar o dinheiro para nosso sonho...
Mesmo focados em juntar dinheiro, conhecemos todo o Japão! Viajamos para lugares incríveis!

4- Por que vocês escolheram a Nova Zelândia?
Após 1 ano de Japão, começamos a pesquisar sobre intercâmbio na Austrália, como era a imigração, qualidade de vida e nisso encontramos sobre Nova Zelândia, um país em crescimento e com necessidade de mão de obra. Um local amigável e mais fácil do que a Austrália para conseguir emprego.

5- Que tipo de curso você fez na Nova Zelândia e qual era seu nível de inglês antes e depois do curso?
Decidimos fazer um intercâmbio de curso de inglês, na cidade de Queenstown, um paraíso, pois vimos que a oferta de trabalho era a maior e as chances de conseguir um visto de trabalho eram maiores também.
Chegamos na Nova Zelândia com inglês intermediário e saímos, depois de 4 meses, com inglês avançado. 
Claro que encontramos brasileiros  mas nós forçamos a fazer amigos de todas as nacionalidades para colocar o inglês na prática. E hoje após 2 anos e 2 meses temos fluência na língua!

6- O que você tem na Nova Zelândia que não tinha no Japão? E o que você tinha no Japão que você não tem na Nova Zelândia? 
No Japão tínhamos muito dinheiro, mas não tínhamos tempo e energia para desfrutar da vida. Era só trabalho 5 dias na semanas e 12 horas por dia. 
Já na Nova Zelândia, não temos muito dinheiro, o que se ganha dá para viver bem, mesmo sendo o salário mínimo. Mas aqui somos felizes pois temos o equilíbrio do serviço com a vida pessoal, e um dos nossos sonhos foi sempre ter filhos! Agora estamos esperando a Rebecca, teremos tempo e energia para curtir com ela esse país incrível.

7 - Planos para o futuro?
Hoje trabalho como representante da agência de Intercâmbio Sem Fronteiras, com sede na Irlanda, EUA e agora aqui na Nova Zelândia! Ajudo as pessoas no planejamento financeiro, estratégico e emocional para vir pra cá. 
Sempre posto no meu Instagram @jihanesato, dicas, informações, vaga de emprego e rotina do dia a dia para que as pessoas se sintam seguras e se imaginem num lugar como esse.

8- Qual dica você daria para quem tem vontade de sair do Japão em busca de uma mudança de vida?
Não deixem que outras pessoas boicotem seus sonhos, pois tentaram fazer isso conosco quando chegamos no Japão. Tenham perseverança e foco pois todos podem alcançar seus sonhos!


Muito obrigada Jihane pela entrevista!

Um abraço à todos,

Amanda

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Belgian Beer 2019!





Para os amantes da cerveja, finalmente foi divulgada as datas da Belgian Beer Weekend, evento anual que já ganhou sua fama nacional. 
Atualmente, a Belgian Beer Weekend  é considerado por muitos como o melhor evento de cerveja do Japão, com mais de 150 cervejas belgas diferentes. O evento não é apenas sobre cerveja, mas também sobre gastronomia, música ao vivo e uma atmosfera única. A edição de 2016  foi muito especial pois foi celebrado 150 anos de amizade entre a Bélgica e o Japão!
Em 2019 serão apenas 5 cidades que sediarão o evento!

Nagoya
Local: Hisaya Odori Park Hisaya Plaza Angel Plaza
Data:  24 de abril a 6 de maio

Yokohama
Local: Yamashita Park
Data:  9 a 12 de maio

Hibiya
Local: Hibiya Park
Data:  27 de junho a 7 de julho

Osaka
Local: Osaka Castle Park
Data:  11 a 21 de julho

Tóquio
Local: Roppongi Hills Arena
Data:  11 a 16 de setembro

Horário para todas cidades: dias úteis 16:00 - 21:00 / fim de semana, feriados 11:00 - 21:00 / último dia 11:00 - 20:00

Para conferir os valores clique aqui https://belgianbeerweekend.jp/system

Mais informações em https://belgianbeerweekend.jp/

Amanda

sábado, 18 de agosto de 2018

Como eu vim para a Nova Zelândia?


Quando o assunto é intercâmbio, muitas dúvidas começam a surgir. Ainda mais se você mora no Japão e o acesso à esse tipo de assunto não é ainda tão divulgado. Sei que tem uma ou outra agência que trabalha com isso, mas, particularmente, acredito que as agências do Japão não conhecem de fato o dia a dia de quem mora no país para o qual elas vendem o intercâmbio. Por isso que desde o princípio, busquei uma agência que tivesse sede na Nova Zelândia. Isso me facilitaria muito em caso de dúvidas, perguntas e auxílio em uma emergência. 

Dica 1 - Busque empresas que tenham escritório no país que você pretende ir estudar. 

Confesso que foi MUITO difícil realizar essa escolha. Você tem diversas opções e muitas vezes não sabe qual é realmente a melhor. Eu cotei com todas as agência de intercâmbio que conheci buscando pela internet. E posso afirmar que o maior problema delas é que ou a pessoa que está vendendo o produto não conhece o que vende ou ela está já de "saco cheio" e manda email "pronto" sabe? Muitas me retornaram com um email padrão, daqueles que eles enviam para todo mundo. Essas eu já cortei de primeira. 

Dica 2 - Preste atenção no primeiro contato que você fizer com a pessoa que está te vendendo o intercâmbio, Observe se ela realmente está conversando com você ou simplesmente enviando pacote pronto, resposta pronta e serviço medíocre. Isso faz toda a diferença! Verifique a postura de quem está te atendendo. 

Desisti do Brasil e comecei a cotar com as agências com sede na Nova Zelândia. Fui muito bem atendida por grande parte delas. Não tenho do que reclamar. O caso é que eu continuava perdida, Afinal, com quem fechar?
Eu acredito muito em intuição sabe? E estava esperando minha intuição me direcionar para o melhor caminho. 
Durante esse meio tempo, eu também decidi começar a buscar apartamentos pelo Airbnb para ficar no meu primeiro mês. Foi quando eu achei um local excelente. Localização perfeita! Mas ainda estava com receio de fechar esse apartamento e não ser o local ideal. Decidi buscar por pessoas que já ficaram no mesmo local, e para minha sorte, achei um blog de um casal brasileiro que havia de hospedado exatamente neste apê que eu tava querendo tanto ficar! 
Entrei em contato com a dona do blog para pedir mais detalhes. Mas não sabia se ela iria me responder pois eu havia mandado uma mensagem pelo Facebook. E para minha surpresa, não é que ela me respondeu? Pois é! 
Conversamos bastante e descobri que a Stella, a dona do blog, trabalhava na área de intercâmbio! Começamos a trocar mensagens e percebi que ela me passava segurança sobre o que estava falando. Comecei a colocar os prós e contras no papel. Vi que a empresa dela, a Kiwi Education, tinha algumas vantagens que outras não me ofereceram:

1- Aplicação do visto de estudante 100% gratuito. Eles tem a própria consultora de imigração que fica responsável pelo visto sem cobrar taxa extra. 
2- Eles não iam me cobrar para buscar no aeroporto nem nenhuma taxa extra para me ajudar aqui na Nova Zelândia.

Dica 3 - Anote no papel o que cada agência está te oferecendo. Coloque de um lado as vantagens e as desvantangens para ficar bem claro na hora de você balancear entre uma empresa e outra. 

O primeiro email que troquei com a Stella foi no dia 16 de outubro de 2017. No dia 29 de maio de 2018 eu estava embarcando para a Nova Zelândia!
Posso dizer que o processo foi muito simples, e o visto do Erik saiu em tempo recorde, em apenas 3 dias úteis. Foi incrível! Ficamos muito felizes.

Para esclarecer as perguntas mais frequentes, eu fiz esse vídeo aqui:


Se você tiver qualquer dúvida é só deixar aqui nos comentários que terei o maior prazer em responder!!!!

Beijos,

Amanda